Postado em: na categoria Neuropsicologia.

amorDe repente o mundo fica mais bonito, a mente divaga, o coração acelera e você não para de pensar naquela pessoa. Quase todo mundo conhece estes sintomas e o diagnóstico é fácil: a velha e nem sempre simples paixão.

Todos os sinais listados fazem parte de uma reação química desencadeada no cérebro, que libera um grande quantidade de dopamina e noraepinefrina, hormônios ligados diretamente às emoções e ao humor.

“Normalmente uma pessoa apaixonada fica em um estado parecido com o quadro de ansiedade, chegando a apresentar taquicardia, sudorese, tremores, ”cabeça vazia’, ausência de apetite entre outros”, explica a psicóloga Susi Andrade, do Hospital e Maternidade São Cristóvão.

A especialista compara inclusive a paixão ao estado de um paciente que sofre de TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo), como uma pesquisa da Universidade de Pisa, na Itália, já relatou. “Ambos os quadros apresentam um nível baixo de serotonina, substância responsável pelo bem-estar. Desta forma há um aumento do nível de estresse e ansiedade”, afirma Susi.

“Borboletas na barriga”

Todo esta ansiedade em querer ver o novo amor, aliada ao medo de que o romance não dê certo, causa a sensação de que o apaixonado está com as famosas “borboletas no estômago”. “É aquela impressão de que tem algo se movimentando dentro de sua barriga, ou ainda uma impressão de saciedade mesmo sem ter comido. Trata-se de uma resposta fisiológica que condiz com o estado de paixão”, diz a psicóloga.

“É natural que neste estado boa parte da atenção e concentração seja desviada para pensamentos constantes no ser amado e por isso os mais próximos costumam comentar que estão com a cabeça nas nuvens”, acrescenta.

Mantenha a calma

Apesar de todo este estado de excitação, é preciso tentar manter a calma quando o casal está se conhecendo, para não prejudicar o andamento natural do relacionamento.

“É importante lembrar que o inicio de uma relação deve ser algo saudável e natural. Dedicar-se alguns minutos do dia para conversar, trocar mensagens com a pessoa amada, sem comprometer outras atividades do dia-a-dia”, aconselha Susi.

A psicóloga destaca que o apaixonado não deve tornar o parceiro como fonte única de emoções, sobrecarregando-o com atenção em demasia ou eventuais cobranças. Por isso, é importante saber dividir os momentos para que a sua vida, seu trabalho, família e amigos sejam preservados.

“Quando sentir que está perdendo o controle lembre-se que estão se conhecendo, e vá com calma. No início de qualquer relacionamento as pessoas passam por análises de comportamento, e as coisas que você faz tem um peso grande na relação”, ensina a especialista.

Fonte: UOL Comportamento

Talvez você também se interesse por essas:

Período para comentar encerrado.